Crítica – Tomb Raider: A Origem – Leve o joystick para o cinema e aprecie o surgimento de uma franquia incrível. Se liga!

16. março 2018 15:30 | Texto por Gustavo Crispa

Primeiramente preciso dizer, sou um amante declarado da franquia de games, assisti esse filme com grande desconfiança e medo de não respeitarem a essência do game, com isso voltamos a nossa programação normal. Após uma franquia de sucesso estrelada pela musa, deusa e referencia de girl fatal Angelina Jolie o universo de Tomb Raider retorna para as telonas, mas para infelicidade de muitos sem Angelina, a Warner reiniciou a franquia no cinema com base nos games mais recentes de Lara Croft (Tomb Raider; ‎Rise of the Tomb Raider) que fazem grande sucesso com o público gamer e crítica, visando o mesmo sucesso nas telonas os produtores escalaram a jovem atriz Alicia Vikander, a ganhadora de um Oscar ganhou a missão de reerguer a franquia e substituir Angelina, mas vamos por parte, confira o trailer do filme e depois continuo.

Arrepiou? Certeza que os fãs da Lara Croft já se surpreenderam com a semelhança entre a atriz e a versão mais recente da personagem nos games! Bom o filme apresenta a jornada de uma jovem Lara Croft, ainda traumatizada pela morte de seu pai, anos atrás, Lara é surpreendida com uma séria de pistas que revelam segredos de seu pai e à colocam em uma perigosa aventura em busca de respostas em uma escondida Ilha em mares do Japão, sim idêntico ao game. Sem enrolação, o filme é bom, nem muito bom nem ruim, ele é bom! Mas se torna um pouco melhor se você conhece a franquia e conseguiu jogar o game que inspirou o enredo do filme (Tomb Raider), o filme apresenta diálogos fracos e um foco muito grande em cenas de ação e adrenalina envolvendo a protagonista como se você estivesse ali jogando, só faltando o joystick na mão e as sequencias de botões para ajudar Lara; as cenas em computação gráfica são bonitas e bem elaboradas, em inúmeros momentos respeitando ângulos do game e trazendo referencias visuais e auditivas como o barulho de respiração ofegante e o típico som de conquista desbloqueada, esses fatores me agradaram muito e ao meu ver é primordial para criar uma identidade nova para os filmes inspirados em game.

Alice Vikander já conquistou meu coração, a jovem atriz é extremamente respeitada no meio e inclusive já possui um Oscar em seu currículo, esses fatores junto de seu talento indiscutível levaram a Warner a essa perfeita escolha para substituir Angelina (tarefa fácil né). Alice se tornou uma versão fiel visualmente de Lara Croft, mas além disso ela conseguiu transmitir perfeitamente a essência da uma personagem difícil, por ser uma versão de transformação onde a personagem está se tornando o mulherão que conhecemos anos atrás. Alice demonstra seu talento de várias maneiras, expressão corporal, caras e bocas, combate corpo a corpo e tudo com uma grande presença em cena, espero que nos próximos filmes sejam recheados de diálogos mais elaborados para ver ainda mais dessa atriz realmente completa.

 

Concluiu dizendo, não se deixe levar por notas e criticas amante do game! O filme é muito bom e tem tudo para te agradar e se tornar uma grande franquia em breve. Não se esqueça de ficar de olho aqui no site para tudo de games, cinemas e acompanhar as novidades desse universo e da Warner!

Comentários:
Aguardem novas promoções

novidades em breve

[Veja mais]

NOME
E-MAIL
BANDA
MÚSICA
 
  • 01.   CPM 22 - Perdas

    02.   Nx Zero - Modo Avião

    03.   Scalene - Surreal

    04.   Fly - Cabelo de Algodão

    05.   Tiago Iorc - Dia Especial

    06.   Luan Santana - Escreve aí

    07.   Banda do Mar - Mais Ninguém

    08.   Efelix - Segundo Plano

    09.   Against the Current - Talk

    10.   Supercombo - Piloto Automático

    11.   Scambo - Roda Gigante

    12.   Foo Fighters - Something From Nothing

    13.   Scracho - Divina Comédia

    14.   Versalle - Verde Mansidão

    15.   Mc Biel - Pimenta

    16.   Instinto - Agradeço ao Rock N' Roll

    17.   Paramore - Last Hope

    18.   Violetta - Euforia

    19.   Theodor - Adeus

    20.   Urbana Legion - Tempo Perdido

107HC, HCNOAR, direitos de imagem, audiovisual, idealização são todos reservados para Rede HCNOAR Produções